Imagem capa - Amamentação, o que eu preciso saber? (Parte 1) por Tássia Garcia
Espaço da Doula

Amamentação, o que eu preciso saber? (Parte 1)



Ao contrário do que muita gente pensa, a amamentação não é algo instintivo. Pode parecer simples colocar um bebê para mamar, mas a amamentação é um processo aprendido, tanto para a mulher quanto para o bebê. Na grande maioria das vezes, não flui tranquilamente no início, precisando de alguns ajustes até que possa acontecer sem intercorrências e de forma mais orgânica.

Pensando nisso, criamos essa série sobre amamentação, que será dividida em 2 posts, com as informações e dicas mais importantes para te auxiliar nesse ponto.
A Jana, doula e consultora de amamentação, aborda esse tema de forma clara para te ajudar com suas principais dúvidas sobre o tema.



Iniciamos falando sobre INFORMAÇÃO!





O que acontece com frequência é que as mulheres se preparam muito para o parto e acabam esquecendo que depois do parto tem um período bastante intenso do puerpério e da amamentação! Hoje fico muito feliz com uma maior procura por orientações para a amamentação ainda na gestação, e com a preocupação maior de algumas mulheres com essa fase!


Assim como é para o parto, o melhor preparo para a amamentação é a informação! O corpo é sábio e durante a gestação já se prepara fisiologicamente para amamentar: os seios aumentam de tamanho, com o desenvolvimento das glândulas mamárias. As aréolas escurecem, para facilitar que o bebê identifique o seio nos primeiros dias de vida, e pequenas glândulas fazem a lubrificação e a preparação dos mamilos. Portanto, não há nada que seja necessário fazer durante a gestação, ao contrário: manipular ou passar produtos nas mamas é contraindicado nessa fase!




Para te ajudar com essa fase, separei algumas dicas de como você pode se preparar para a amamentação:






- Estude, busque informação, saiba o que esperar dos primeiros dias do bebê, principalmente quem for mãe de primeira viagem. Envolva o(a) companheiro(a) nessa busca, para que esta pessoa possa servir de apoio para suas decisões


- Construa sua rede de apoio para o pós-parto e envolva os familiares mais próximos na preparação, como por exemplo os avós. É importante que estas pessoas estejam atualizadas e alinhadas com seus desejos para a amamentação


- Busque um pediatra que seja amigo da amamentação! Profissionais que apoiam o aleitamento materno aumentam suas chances de amamentação exclusiva


- Invista num planejamento para o pós-parto: logística das tarefas domésticas, marmitas congeladas, coisas que possam facilitar o dia-a-dia, pois amamentar um bebê já é um trabalho e tanto e você precisa descansar também!




- Leia sobre o puerpério e exterogestação. Os primeiros 3 meses do bebê são os mais difíceis, tanto para ele quanto para os pais, pois ocorre todo um processo de adaptação para a nova rotina. Saber o que esperar do bebê nessa fase, suas características e necessidades, é extremamente importante para tornar o puerpério mais leve, e isso também se estende à amamentação 


- Se seu desejo é amamentar exclusivamente, saiba que qualquer bico artificial pode atrapalhar o processo pois tem risco de causar confusão de bicos. Então evite comprar e ter chupetas ou mamadeiras em casa, pois na hora do aperto você irá querer usar.


- No enxoval, invista em uma boa almofada de amamentação, que seja firme e dê a volta no seu corpo, e em sutiãs ou tops confortáveis, de tecido de algodão, que sustentem sem apertar. Mas em casa vale ficar sem sutiã para deixar os mamilos livres!


- Você pode adquirir alguns itens para a amamentação conforme for necessário. Muitos deles não são recomendados! A pomada de lanolina por exemplo, se usada em excesso prejudica a pega. Utilize seu próprio leite nos mamilos após as mamadas para auxilar na cicatrização


- Em caso de dor ao amamentar, busque ajuda profissional o quanto antes! Sensibilidade mamilar no início da amamentação é normal e passa, mas se essa dor persistir e causar fissuras nos mamilos, significa que algo não está correto: pode ser a pega, o posicionamento do bebê, ou alguma outra questão que esteja dificultando o acesso correto do bebê ao seio. Para pais de primeira viagem pode ser difícil identificar o que pode ser feito para a amamentação fluir melhor, e isso é facilmente diagnosticado por uma profissional capacitada em amamentação (ex: consultora em amamentação)





No próximo post, irei dar algumas dicas de como saber se a amamentação está efetiva!